segunda-feira, março 26, 2012

Paços de Ferreira-1 - FCPORTO-1 (Mais do mesmo...)

Os jogadores, a equipa técnica e todo o staff acredito que querem ser Campeões...
Mas o querer não chega...


É preciso saber mais, fazer mais e melhor que o adversário...
É preciso jogar melhor, é preciso mais força fisica dos jogadores, é preciso marcar golos nas bolas paradas ofensivas, é preciso ter estratégia colectiva para vários momentos do jogo, é preciso não sofrer golos ridiculos em bolas paradas defensivas onde os jogadores estão na area mas nenhum se preocupa em marcar homem a homem... numa clara falta de concentração defensiva...


Não vejo os treinos, por isso não sei como são... não sei como treinam, se esta falta de intensidade já vem dos treinos ou se apenas nos jogos não conseguem corresponder e colocar as jogadas a funcionar...
Mas para mim, claramente nesta equipa, neste colectivo de bons jogadores, falta nervo, falta ser Porto, como era antigamente...Onde se via os jogadores a dar tudo e mais alguma coisa em prol do simbolo que envergam...


Neste ano poucos foram os jogos onde se sentiu essa mistica, esse querer, essa força, essa vontade, talvez numa meia dúzia...Nos outros foi mais do mesmo, esperar que um ou outro jogador criassem uma jogada, normalmente Hulk, James ou Moutinho, é pouco como equipa, como conjunto...


Saudades de jogadores como João Pinto, "O Capitão", o Jorge Costa, "O Bicho", entre outros, que davam um grito e todos o seguiam...


Até podiam perder jogos e titulos, mas nunca foi por falta de raça, de brio, de crença...
Já este ano...enfim...


FORÇA PORTO!!!!!

domingo, janeiro 29, 2012

Gil Vicente-3 - FCPorto-1

E numa jornada, onde o Benfica devia ter empatado, pois foi mal anulado um golo ao Feirense, e que teria feito o 1-0, depois o 2-0 de canto e possivelmente com os dois golos facilitados pelo Feirense (!!!) do Benfica, daria um 2-2 final, mas não foi isso que aconteceu.

Ou seja, um arbitro a ajudar o Benfica numa jornada onde o ladrão do Bruno Paixão iria arbitrar o FCPorto, estava tudo feito.

Bruno Paixão, como é possivel um arbitro destes ser um dos melhores do Pais e continuar a roubar descaradamente?

1ºgolo do Gil Vicente, marca falta num lance onde ambos os jogadores levantam o pé á mesma altura e marca contra o FCP, claro erro.
Penaltie não assinalado sobre Deffour, que leva com uma valente cotovelada no nariz e que o impede de chegar á bola na grande area, arbitro a olhar para o lance, nada apitou, isso disse tudo, valia tudo, claro erro.
2ºgolo do Gil Vicente, claramente fora de jogo, com o fiscal de linha mal posicionado, mas que viu como um braço encostado ao corpo do Otamendi é lance para penaltie, claro erro no 1ºmomento do fora de jogo.
Ou seja, estava 2-0 para o Gil Vicente e devia estar 1-0 para o FCP (a converter o penaltie).

Na 2ªparte, mais um penaltie não assinalado, Kleber ganha a frente do lance ao defesa central e quando ainda tem hipotese de chegar á bola é derrubado pelo guarda-redes que falha a intercepção da bola, o arbitro e o mesmo fiscal de linha fizeram o trablho que já levavam para fazer, claro erro.
3ºgolo do Gil Vicente, novamente com o fiscal de linha mal posicionado, parece fora de jogo, mas dou o beneficio da duvida.

Ora, contabilizando os lances, o Gil Vicente teria marcado um golo e o FCPorto teria marcado 3, a converter os 2 penalties.

E assim o Ladrão do Bruno Paixão com o beneplácito do seu chefe, Vitor Pereira (o da arbitragem) num fim de semana, retira 3 pontos os FCPORTO e dá 2 ao Benfica.

E estes são os 5 pontos que separam as 2 equipas agora.

Para memória futura... mais um roubo de catedral, devidamente encomendado por quem de direito... tal como em CampoMaior á largos anos atrás...

Mas só quem anda distraido é que não estava á espera que isto acontecesse, fosse nesta jornada ou mais para a frente.


Sobre o jogo:

Sabendo que Fernando não estava disponivel, que falta fez, ele que viu mal o amarelo no jogo anterior, talvez a prever isto.
E sem Hulk para desequilibrar na frente, e sem um James inspirado, e com Moutinho sem saber a posição certa, e com Alvaro Pereira desinspirado, faltou muita coisa, pois dos outros jogadores é dificil esperar um rasgo de génio, essa é que é a verdade.


O FCP sabendo que o Benfica tinha ganho ontem da forma como tinha ganho.

E sabendo que iria jogar em Barcelos frente a uma equipa lutadora, mas obviamente inferior ao FCP.

O que fez o FCP, o seu treinador e os jogadores em campo???

Uma 1ªparte, onde o trio de meio campo trocava a bola, mas sem intensidade, sem rupturas, sem objectividade de querer marcar, de querer ganhar o jogo..., mas com Souza a ser lento nas recuperações, com Moutinho e Deffour muito parados, em combinações previsiveis...
E com os dois extremos, James e Varela sem inspiração???
E Kleber...

E assim o jogo foi-se arrastando, e o Gil Vicente faz o 1ºgolo e quase não houve reacção, nada, e há beira do intervalo, o 2-0 de penaltie.


Na 2ªparte, entradas de Danilo (o sr. 18 milhões) e Bellushi (o sr. sai não sai).

Bellushi apareceu mais no jogo, 3 bons remates e um passe de ruptura a desmarcar Varela para o golo do FCP.

Mais agressividade, mais dinamica, mas a determinado momento era uma grande confusão na cabeça dos jogadores, pois tanto trocar de posição para desposicionar os jogadores do Gil Vicente dá em perdas de posição e perdas de bola infantis e dai resultam contra-ataques, e logo no inicio da 2ªparte, surge o 3ºgolo, num lance onde Rolando se perde na marcação ao avançado contrário.

Dai até ao final foi um FCP a tentar furar, apenas por uma vez conseguiu, mas criou alguns lances, ainda que com alguma confusão no discernimento dos jogadores.

Mas aquela entrada em jogo, sem pressing, sem dinamica, quase sem apaticos em campo, deitou tudo a perder, agora a 5 pontos fica muito complicado.

E como o treinador Vitor Pereira é pouco expansivo e pouco eficaz nas alterações que faz durante um jogo e os jogadores podem até já estar a percebe-lo melhor no terreno de jogo, mas onde claramente os jogadores não morrem em campo por ele, e este era um jogo onde isso era necessário, ora sem atitude, de pouco vale o ser melhor, e o ter os melhores jogadores, isso pouco importa senão existe atitude e concentração e vontade de ganhar durante os 90m...


Varias notas sobre o FCPorto e a preparação da época desportiva este ano.

Ano desastroso a este nível, durante estas semanas, parecia a pré-época do verão, jogadores que saiem, jogadores que entram, instabilidade emocional, isto num ano onde o treinador também tem pouca estaleca para o cargo.

Mas algumas contratações de jogadores "caros" para posições onde o FCP até tinha algumas soluções, e sem dinheiro para comprar um substituto á altura do Falcão da época passada, e isto é responsabilidade da SAD.

E estamos no final de Janeiro e claramente o avançado não vem, ou seja, a equipa vai continuar desiquilibrada até final de época.


Ou seja, apenas um milagre nos coloca realmente a lutar pelo titulo esta época, claro que ainda acredito enquanto for matemáticamente possivel, mas parece ser claramente um ano falhado por parte do Presidente ao apostar neste treinador com algumas falhas de jogadores em algumas posições, muita coisa a puxar para baixo e pouca a dar esperança...


FORÇA PORTO!!!

terça-feira, janeiro 03, 2012

2011 - Mais um ano de ouro na história do Futebol Clube do Porto - Parte 4

Junho a Agosto

O período de "defeso" entre a época 2010/11 e a época 2011/12 prometia ser um dos mais agitados dos últimos anos. O "triplete" conquistado, Taça, Campeonato e Liga Europa, fez do plantel do FC Porto um filão extremamente apetecível para os grandes tubarões da Europa. No entanto, a primeira e mais estrondosa transferência haveria de ser a do treinador André Villas-Boas que se deixou cativar pelas petro-libras de Abramovich, rumando ao Chelsea, numa deserção que os adeptos dificilmente conseguirão perdoar, como o próprio Villas-Boas o reconhece, sobretudo depois das juras de amor eterno para com o FC Porto proferidas dias antes da transferência relâmpago. À cadeira de sonho faltava, pelos vistos, um revestimento em libras.

Villas-Boas, da Cadeira de Sonho para a Poltrona Infernal de Stamford Bridge

Para o seu lugar foi escolhido o até então adjunto de Villas-Boas: Vítor Pereira, com um percurso profissional até então muito discreto. Poder-se-ia questionar a validade desta escolha mas, o que é certo é que, dado o timming do anúncio da rescisão unilateral do contrato de Villas-Boas, Vítor Pereira era a escolha mais lógica: era da casa, tinha experiência como treinador principal (embora não a este nível) e estava perfeitamente identificado com os métodos do ex-treinador. Mais tarde viria a ser posto em causa mas, como se verificaria também, não seria só pelo treinador que passariam as dificuldades que o FC Porto viria a sentir no início da nova época. Ficava por isso o FC Porto com um treinador e com 15 M€ resultantes da "venda" de Villas-Boas. Um evento singular só ao alcance do FC Porto e de quem o gere.

Entretanto, as saídas de jogadores anunciadas diariamente pela imprensa eram de tal monta que dariam para vender não o plantel do FC Porto mas sim todo o público do Dragão num jogo de casa cheia. Acabariam por sair Beto (emprestado ao Cluj da Roménia), Sereno (emprestado ao Colónia), Ruben Micael e Falcao (ambos para o Atlético de Madrid, embora o primeiro tenha ido parar por empréstimo ao Saragoça). Falcao valeu uma verba recorde, estabelecendo um novo máximo em Portugal no que a transferências diz respeito, embora tenha ido parar a um clube que é demasiado pequeno para o valor do colombiano. Actualmente o Atlético anda pelo meio da tabela, a léguas do seu vizinho e colosso Real Madrid.

Alguns jogadores tentaram esticar a corda no sentido de forçar a sua saída mas sentiram na pele o rigor da gestão de Pinto da Costa e ficaram apesar das birras, casos de Fernando e Álvaro Pereira. Não voltaram a ser cometidos os erros pós-Champions de 2004/2005 e o FC Porto soube manter uma equipa extremamente competitiva, pese embora a falha que foi o não assegurar um ponta-de-lança que substituísse Falcao à altura.

Quanto a contratações mais sonantes do Brasil chegaram Danilo e Alex Sandro, do Nacional da Madeira veio Bracalli, Mangala e Defour vieram do Standard de Liège, para além das já anunciadas entradas de Kléber, Djalma do Marítimo, com um ano de atraso, e de Iturbe, o "mini-Messi" vindo do Cerro Porteño. Os dois primeiros voltaram a provar que, em Portugal, o destino mais apetecível, a garantia de prestígio e de perspectiva de projecção é mesmo o FC Porto, já que ambos rejeitaram propostas para ir para a Luz, preferindo ingressar no clube mais titulado de Portugal.

Os adeptos tinham portanto razões bem fundamentadas para esperar coisas bonitas da época que se avizinhava e que viria a abrir logo com duas finais: a Supertaça Cândido de Oliveira, em Coimbra contra o Guimarães, e a Supertaça Europeia no batatal do Mónaco contra o todo-poderoso Barcelona.

sexta-feira, dezembro 30, 2011

2011 - Mais um ano de ouro na história do Futebol Clube do Porto - Parte 3

Maio

Maio foi o mês que fechou a época de 2010/2011 com chave de ouro. O FC Porto consagrou-se como campeão nacional indiscutível, estabelecendo um recorde de pontos na vantagem em relação ao 2º classificado, ao mesmo tempo que venceu a Liga Europa e a Taça de Portugal.

A nível interno quis o destino que fosse no último jogo em casa para o campeonato que o FC Porto estivesse à beira de perder pela primeira vez na prova, não se livrando de perder pontos pela primeira vez em casa. Um golo de Hulk já em tempo de compensação permitiu que os dragões alcançassem pelo menos
o empate 3-3 (não sem polémica em foras-de-jogo mal tirados que dariam um resultado completamente diferente) contra um estóico Paços de Ferreira, num jogo onde uma entrada a matar de Nelson Oliveira atirou Moutinho para fora do jogo e pôs em risco a participação do médio na final da Liga Europa. Felizmente o João "Coragem" conseguiu recuperar a tempo de marcar presença em Glasgow. Quanto a Nelson Oliveira, viu e bem o vermelho directo.






O campeonato seria fechado da melhor forma uma semana mais tarde no Funchal, com uma vitória por 2-0 frente ao Marítimo, jogo que marcou o selar de uma proeza notável: o FC Porto sagrou-se campeão sem derrotas e apenas com 3 empates!




Em termos europeus, uma derrota por 3-2 no terreno do Villarreal não foi suficiente para impedir o FC Porto de se apurar para Glasgow onde, pela primeira vez na história, duas equipas portuguesas se encontraram numa final de uma competição europeia. O Braga foi o adversário, após ter eliminado o Benfica com uma derrota por 1-2 na Luz e vitória 1-0 na cidade dos arcebispos. Proeza para os bracarenses, alívio para os encarnados a quem a ideia de voltar a defrontar o FC Porto deixava extremamente preocupados.

Num jogo não muito brilhante, bloqueado tacticamente, valeram o sentido de oportunidade de Falcao, após um grande passe de Guarín, e as mãos de ferro de Helton para que o FC Porto voltasse a figurar nas montra dos vencedores europeus, conquistando a primeira Liga Europa do futebol português. Após Viena, Sevilha e Gelsenkirchen, foi a vez de Glasgow entrar no rol das cidades europeias de boa memória para os adeptos azuis e brancos.


Para o Jamor convergiram os adeptos para a última festa da temporada. Diante de um Vitória de Guimarães que ainda incomodou durante a primeira parte, o FC Porto mostrou galões. A tarde pertenceu a uma jovem pérola colombiana de seu nome James Rodriguez que contribuiu com 3 dos 6 golos com que o FC Porto derrotou os vimaranenses, num score final de 6-2.


No panorama futebolístico nacional, as proezas do FC Porto eclipsaram por completo uma tal de Taça da Liga que nem foi celebrada por quem a conquistou. Reza a história que, como acontecera na Luz frente ao Porto, houve muito boa gente que teve vontade de apagar a luz aos 90 minutos para fechar uma época calamitosa, curiosamente a época em que se tinham assumido como bicampeões mais que certos e ainda tinha elevado a fasquia para... a conquista da Liga dos Campeões. (Momento de pausa para um riso sarcástico).


O jogo e o golo

Sem dúvida a final de Glasgow e a cabeçada de Falcao. O FC Porto conquistou o seu 5º troféu europeu e escreveu mais uma página de ouro na sua história, dando razão a Pinto da Costa que, profeticamente afirmara no final da época anterior "Vamos voltar a ganhar, cá dentro e lá fora!"






O melhor

3 troféus erguidos numa época onde o FC Porto conquistou 4 das 5 competições em que competiu.

Mais um troféu europeu conquistado numa final onde, pela primeira vez na história, se defrontaram duas equipas portuguesas.

A Taça de Portugal foi mesmo a festa do futebol. Cabazada aplicada e troféu levantado!



O pior

A lesão que ia deixando Moutinho impedido de participar na final, numa entrada que deu muito que falar por Nelson Oliveira.

A final de Glasgow ficou aquém das expectativas em termos de futebol jogado. Frente a frente, as duas equipas que melhor futebol praticaram em Portugal em 2010/2011 deixaram os adeptos algo frustrados nesse aspecto.







Amanhã: O turbulento mercado de Verão e a fuga de Villas-Boas

2011 - Mais um ano de ouro na história do Futebol Clube do Porto - Parte 2

O 2º trimestre de 2011 marca o clímax da época de 2010/2011. O FC Porto ganha jogos com resultados categóricos, cilindra adversários, pulveriza recordes e conquista a Europa. A nível interno, humilha duas vezes o rival mais directo em jogos que deixaram traumas profundos nos adeptos encarnados. Para a história fica o feito de uma equipa que se tornou na equipa portuguesa com mais títulos e que se destacou ainda mais em termos de palmarés internacional.


Abril

Abril mês da liberdade, mês da celebração eufórica, o mês em que a Luz se apagou! Abril de 2011, o mês destinado a perdurar na eternidade das memórias dos adeptos azuis e brancos (e não só) e onde a concorrência, envergonhada e humilhada, preferiu esconder-se no conforto da escuridão. O primeiro jogo do mês de Abril colocou frente a frente FC Porto e Benfica no estádio da Luz, equipas que partiam para esse jogo com ambições bem diferentes.

O FC Porto lutava ainda em 3 frentes e sabia que o título estava praticamente assegurado, embora uma vitória na Luz fosse a cereja em cima do bolo. O Benfica mobilizou adeptos e jogadores com aquilo que se tornou o objectivo maior no campeonato: impedir a humilhação suprema de ver os dragões fazerem do Estádio da Luz o palco da festa de um campeonato mais que merecido. Já bastava a afronta indizível dos 5-0 sofridos no Dragão na primeira volta.

Só que o FC Porto que subiu ao relvado da Luz não mudou o chip do querer e da ambição que foi apanágio da época. Não se refugiou no conforto de saber que um empate era um resultado confortável e suficiente e foi à procura da vitória que arrancou a ferros.
Nem uma arbitragem inqualificável de Duarte Gomes, que provavelmente na altura ainda não tinha perfil no Facebook, impediu Villas Boas e os seus de colocar sobre o campo a lei do mais forte.








O FC Porto venceu por 2-1, sagrou-se campeão e deixou a "onda vermelha" à beira de um ataque de nervos, agarrando-se à esperança de "vingarem" mais esta facada profunda no seu orgulho com uma vitória na Taça de Portugal onde estavam bem lançados. No final, os dirigentes do Benfica mostraram porque dizem ser diferentes dos outros (mostraram a sua estatura moral, digo eu) e, para não assistirem às celebrações do título, apagaram a iluminação do estádio e ligaram o sistema de rega.









A festa seguiu na mesma e para sempre fica a memória do dia em que o FC Porto foi a Lisboa apagar a Luz. No final, soltou-se a alegria!






Mas quis o destino que, nesse mesmo mês, o FC Porto voltasse à Luz para disputar a 2ª mão das meias finais da Taça de Portugal, com um handicap de 0-2 derivado da derrota em casa averbada na primeira mão. Apesar de o Benfica já ter sido "vendido" na imprensa como o mais que provável vencedor da Taça de Portugal, mais uma vez o FC Porto passeou categoria e nem um penalty fantasma inventado já perto do fim a favor do Benfica impediu os dragões de dar mais uma estocada numa águia moribunda. Resultado final: 3-1 para o FC Porto após uma 2ª parte de luxo em que o adversário foi vulgarizado e passaporte carimbado para a final da Taça de Portugal!

Ainda durante o mês de Abril, o FC Porto assumiu-se como favorito à vitória na Liga Europa, passeando na Rússia e ganhando ao Spartak de Moscovo por 5-1 no Dragão e 5-2 em Moscovo e depois conseguindo um resultado sensacional nas meias finais da competição ao bater o Villarreal por 5-1 no Dragão, após estar a perder por 1-0 ao intervalo, e garantindo o apuramento para a final de Glasgow!

A nível interno o FC Porto ainda fez dois jogos a contar para o campeonato, vencendo o Portimonense no Algarve por 3-2 e depois o Sporting no Dragão também por 3-2.



O jogo

Sem dúvida a vitória na Luz nas meias finais da Taça, quando o Benfica já era dado como vencedor antecipado da competição após a vitória por 2-0 no Dragão e que deixou os portistas no céu e os benfiquistas à beira do colapso. Com 0-0 ao intervalo, o FC Porto voltou dos balneários com um ritmo diabólico que não deu hipótese a uma equipa do Benfica que se viu completamente desorientada em campo. Valeram os golos de Moutinho, Hulk e Falcao e nem um penalty fantasma por excelente movimento artístico de Saviola conseguiu perturbar mais uma festa na Luz... desta vez com direito a iluminação no final.






O golo

É difícil escolher qual terá sido o melhor ou mais significativo golo do mês de Abril. O golo de Moutinho que deu início à reviravolta na Taça de Portugal? O 3º golo do FC Porto contra o Villarreal por ser um lance espectacular de contra-ataque, o 2º golo por Guarín pela iniciativa individual eficaz ou o 4º golo por Falcao, num voo após a passe de Guarín? E porque não o voo de Falcao a fazer o 1-0 na recepção ao Spartak? O 2º golo contra o Sporting na noite em que Rui Patrício evitou uma goleada histórica só à conta de Falcao? A minha escolha vai para o golo do FC Porto em Moscovo, uma jogada incrível do... Íncrivel que recupera uma bola na defesa, tabela no círculo central com Falcao para depois aparecer na cara do guarda-redes russo a fazer o 1-0 para os dragões!






O melhor

Abril, o mês perfeito! 7 jogos, 7 vitórias, 26 golos marcados, 10 sofridos. Reviravolta nas meias-finais da Taça de Portugal com vitória por 3-1 na Luz após derrota por 0-2 no Dragão, vitórias categóricas contra Spartak e Villarreal na Europa, alcançadas as 15 vitórias consecutivas no campeonato.

O título de campeão alcançado na Luz por 1-2, contra Benfica e Duarte Gomes.

O passaporte praticamente carimbado para a final da Liga Europa.


O pior

A pequenez das mentalidades vê-se nos gestos e nas palavras. Neste caso, para esconder a vergonha de terem de assistir à festa do título do FC Porto na Luz, o Benfica, o tal "clube diferente", apagou as luzes do estádio e ligou o sistema de rega, ajudando com isso a perpetuar este momento na memória colectiva desportiva dos portugueses.

A arbitragem de Duarte Gomes no 2-1 da Luz, só comparável a uma outra de um tal João Ferreira na Supertaça disputada no início da época 2010/2011. Ainda não devia ter perfil no Facebook na altura.



2011 - Mais um ano de ouro na história do Futebol Clube do Porto

O ano de 2011 irá sem dúvida deixar gratas recordações em todos os adeptos do Futebol Clube do Porto e do futebol português, fechando com chave de ouro uma época que, logo no seu início em 2010, deixou bem clara a supremacia dos dragões sobre os seus concorrentes (Benfica, Braga, Sporting,...) e que culminaria com a conquista do "triplete": Campeonato, Taça de Portugal e Liga Europa.


Mais turbulenta seria a transição para a nova época de 2011/2012, com a mudança de treinador e os problemas que afectaram o plantel, levando a uma precoce eliminação da Liga dos Campeões.



Janeiro


O ano não começou da melhor maneira. Uma derrota por 1-2 no Dragão frente ao Nacional colocou praticamente o FC Porto mais uma vez fora da Taça da Liga, facto confirmado mais tarde , curiosamente no jogo que fechou o mês, com um empate em Barcelos, diante do Gil Vicente embora com uma equipa do FC Porto bastante alternativa. Pelo meio, 6 vitórias em outros tantos jogos, contra Marítimo, Naval, Beira Mar e Nacional, e ainda Pinhalnovense para a Taça de Portugal e Beira Mar para a Taça da Liga.


O jogo e o golo


Na ressaca da derrota com o Nacional para a Taça da Liga, a primeira derrota da época, o FC Porto recebeu o Marítimo em jogo a contar para o campeonato e mostrou que o resultado anterior havia sido aquilo que se sabia: um acidente de percurso.


Aos 36 minutos da primeira parte, com o resultado ainda em branco, Emídio Rafael combinou com Varela na esquerda, este tocou para o meio e para trás para Fredy Guarín que encheu o pé e disparou um míssil que só acabou dentro da baliza de Marcelo Boeck. Este golo acabaria por correr Mundo naquele que seria, senão o melhor, um dos melhores golos do ano!







O melhor


A reacção à primeira derrota foi categórica, com uma goleada aplicada ao Marítimo no Dragão.
As exibições e os golos de Emídio Rafael, de pedra e cal na esquerda.


O pior


Dois resultados negativos na Taça da Liga que ditaram a eliminação do FC Porto, na forma como aconteceram, mostraram que este troféu não está mesmo na prioridade dos dragões.
A lesão grave de Emídio Rafael no jogo contra o Gil Vicente, que atirou o defesa-esquerdo para o estaleiro até ao fim da época numa altura em que este tinha conseguido afirmar-se como titular.






Fevereiro


Se o mês de Janeiro começara e acabara mal, o de Fevereiro não podia ter também começado da pior maneira com o FC Porto a receber e a perder em casa com o Benfica nas meias finais da Taça de Portugal por 0-2. Uma falha de concentração de Maicon marcou o jogo logo nos primeiros minutos e 20 minutos depois o golo de Javi Garcia deu a necessária tranquilidade ao Benfica para gerir o resultado. Este resultado também serviu para mostrar a têmpera de Jorge Jesus que, se na derrota inesquecível por 5-0 no Dragão justificou o resultado com a incapacidade de David Luiz em cumprir o que lhe havia sido pedido e não com a superioridade mais que evidente do FC Porto, já neste jogo bradou aos céus uma suposta superioridade táctica do Benfica como garante da vitória. Este resultado teve contudo o condão de animar as hostes benfiquistas numa época que estava a ser, a todos os títulos, desastrosa.


Neste mês o FC Porto voltaria a conhecer o sabor da derrota ao perder em casa com o Sevilha num jogo com uma arbitragem miserável de Howard Webb que consentiu o jogo violento dos andaluzes e deixou os adeptos azuis e brancos à beira de um ataque de nervos. Ainda assim, esta derrota injusta não impediu o FC Porto de passar aos oitavos de final da Liga Europa, fruto da vitória na primeira mão em Sevilha, cidade-talismã, por 2-1.


Pelo meio 3 vitórias para o campeonato em 3 jogos, contra Rio Ave, Braga e Olhanense.


O jogo e o golo


Em Sevilha, o FC Porto enfrentou aquela que era a equipa tida como mais complicada que podia ter calhado em sorteio e que fora eliminada da Liga dos Campeões na pré-eliminatória pelo SC Braga após um jogo épico que culminou em 4-3 para os minhotos.


No Sanchez Pizjuán, o FC Porto sobreviveu à sufocante fúria andaluz e chegou mesmo a colocar-se em vantagem por Rolando. No entanto o Sevilha recolocou o empate no marcador por Kanouté e fez o estádio acreditar que a reviravolta era apenas uma questão de tempo. Foi aí que Villas-Boas tirou o coelho Fredy Guarín da cartola e o colombiano estabeleceria o resultado final a 5 minutos do fim, golo que seria determinante, como se viu depois, para carimbar a passagem aos oitavos de final da Liga Europa.







O melhor


A continuação da série vitoriosa no campeonato com a vitória por 2-0 em Braga, com 2 golos de Otamendi, naquela que era a saída mais difícil do FC Porto para além da ida à Luz, e que elevou novamente os índices de confiança da equipa.


A passagem aos oitavos de final da Liga Europa em detrimento do Sevilha, um dos grandes de Espanha e o adversário mais complicado que poderia ter calhado ao FC Porto.




O pior


A derrota com o Benfica no Dragão para a Taça de Portugal foi encarada como o sentenciar da carreira azul e branca na prova. Depois se veria que isso seria apenas o primeiro capítulo de mais uma proeza fantástica da época 2010/11.


A injusta derrota com o Sevilha no Dragão com uma arbitragem inacreditável de Howard Webb.






Março


Um mês 100% vitorioso! Com vitórias para o campeonato diante do Guimarães, Leiria e Académica, o FC Porto cimentou a liderança em relação ao segundo classificado, aumentando a vantagem de 8 para 13 pontos. Na Liga Europa, outro confronto digno da Liga dos Campeões diante do CSKA de Moscovo que redundou na passagem dos dragões aos quartos de final da prova.


O jogo e o golo


Em Moscovo, o FC Porto enfrentou não só o CSKA local como ainda o "General Inverno" da Rússia. Num campo gelado, em condições extremamente difícil, o FC Porto confirmou a tradição e voltou a vencer com o golo a ser apontado por Fredy Guarín aos 70 minutos. Estavam abertas as portas dos quartos de final da Liga Europa, mais uma vez à bomba!





O melhor

Um mês só de vitórias que elevou para 12 o número de vitórias consecutivas no campeonato e colocou o FC Porto à beira do título... antes do jogo com o Benfica.

As duas vitórias diante do CSKA que garantiram o apuramento para os quartos de final da Liga Europa

O pior

Que se pode dizer num mês assim? Devia ter havido mais jogos?




Continua...

quinta-feira, dezembro 29, 2011

Pinto da Costa, simplesmente o melhor dirigente do Mundo

Um ano de ouro (mais um) da história de sucesso do FC Porto não poderia fechar da melhor maneira. Na entrega dos Globe Soccer Awards no Dubai, Jorge Nuno Pinto da Costa recebeu o galardão de Melhor Dirigente do Ano 2011 e ainda o Prémio de Carreira, pelo acumular de títulos que o tornam um caso único na história do futebol mundial com um total de 56 (só no futebol).

A estes, há ainda que somar 17 no Andebol, 26 no Basquetebol, 57 em Hóquei em Patins (com um extraordinário decacampeonato e a lutar esta época pelo eneacampeonato), isto só para citar algumas das modalidades, não sendo de menor importância os registos alcançados na Natação e no Bilhar. Aliás, nesta última modalidade, o FCPorto é também um grande da Europa.

À frente dos destinos do FC Porto desde 1982, Pinto da Costa pegou no clube que vivia dias amargos e, com determinação e dedicação, fez dele um clube que é hoje uma referência internacional. Este registo ganha ainda mais significado se tivermos em conta que Pinto da Costa fez isso enfrentando não só os adversários desportivos mas também os poderes instituídos e saudosistas da outra trilogia nacional que era citada a par de "Deus, Pátria, Família".

Ao longo da sua gestão cometeu erros, é certo, mas é precisamente nas horas de fraqueza que se distinguem os melhores, pela sua capacidade de arregaçar mangas e ir à luta, de ultrapassar um momento menos bom com um mais brilhante ainda que os outros que para trás tinham ficado. Aí, Pinto da Costa é mestre.

Tivesse conquistado apenas metade dos títulos e Pinto da Costa poderia ainda ser considerado aquilo que é hoje: o melhor dirigente desportivo de todos os tempos!





Imagem: O Jogo

quarta-feira, dezembro 07, 2011

Afastamento da Liga dos Campeões...

Visão geral da Epoca:

Supertaça Europeia, derrota por 2-0 frente ao Barcelona;

Supertaça Nacional, Vitória por 2-1 frente ao V.Guimarães;

Taça de Portugal, eliminado na 2ª eliminatória, derrota por 3-0 frente à Académica;

Liga dos Campeões, eliminado num grupo onde era cabeça de série e terminou como a equipa mais fraca do grupo:

Vitória FCP-2-Shaktar-1
Derrota Zenit-3-FCP-1
Empate FCP-1-Apoel-1
Derrota Apoel-2-FCP-1
Vitória Shaktar-0-FCP-2
Empate FCP-0-Zenit-0

Saldo: 2 Vitórias, 2 Empates, 2 derrotas; 7 golos marcados, 7 golos sofridos; 8 pontos, 3ºlugar.

O problema foi portanto em casa, onde o FC Porto averbou 1 vitória e 2 empates, muito pouco para passar.

Campeonato Nacional, 1ºlugar em igualdade de pontos com o Benfica.

Parece que este ano vamos ser a "equipa do quase", ou do "ainda temos muito para ganhar"... espero é ganhar mais alguma coisa até ao final da Época...

Sem um bom avançado centro para jogos a sério, pois Kleber está muito verde para estas andanças, repito até á exaustão, o homem é fraco para o FCP depender dele.

Com um Walter sem perder peso e sem arrancar...

Dizem que agora é preciso vender jogadores para comprar um avançado de jeito, se tivesse sido comprado no inicio da época na vez de um dos laterais brasileiros que vieram e que ainda não jogaram, talvez o FCP não tivesse já perdido algumas competições, mas isso sou eu a dizer...

Mas se algum jogador não estiver satisfeito por jogar no FCPORTO, esta é uma boa altura de se reavaliar essas situações e se tirem clubes que paguem o que o FCP pede, devem sair, pois já chega de jogadores contrariados esta Época.

Para mim era dispensar o Walter (para o Brasil) e ir buscar um bom avançado, móvel e de bom toque de bola, e partir para um novo sistema de jogo, 442 losango.

Isto porque considero que Hulk tem de jogar solto na frente, e não preso a uma ala, e também não deve ser o avançado fixo do centro do ataque, pois não tem rotinas, como se vê contra equipas "grandes".

E depois porquê James é melhor a "10" do que a extremo, onde fica ausente do jogo...
E claro, porquê sem um bom matador, não adianta ter bons alas, pois para Walter e Kleber falharem ou se esconderem nas costas dos defesas, não adianta.
E os extremos que sobram, Varela não está em forma, Djalma é limitado para jogos "grandes" e C.Rodriguez deve estar de saida, logo não vai colocar o pé nem dar o máximo.

Com isto colocar a equipa a jogar doutra forma era para mim o ideal, mas dúvido que tal aconteça.

Até porque temos no plantel jogadores para esse sistema, onde com Fernando a pêndulo defensivo, para permitir que os laterais subissem, obviamente com um lateral direito de raiz, Danilo deve vir em Janeiro (finalmente), Fucile ou Sapunaru, e com A.Pereira e Alex Sandro (espero que seja mais utilizado pelo treinador)...

Temos 3 jogadores nº8 no plantel, Moutinho, Guarin e Defour, e ainda Sousa pode jogar ai... E como nº10 temos Bellushi (se ganhar forma) e James (que ficaria com as costas protegidas por 3 médios).


Jogo de ontem: FCPORTO-0 --- Zenit-0

Na globalidade, um bom jogo do FCP, mas sem concretizar, que era fundamental neste jogo, logo não consigo entender quem diz que o FCPORTO foi competente neste jogo, se importava era ganhar, então a competência não se mede pelo resultado final?

Ou seja, para mim não foi competente, e pouco me fascina a "vitória moral" do bom jogo ou de ir para a Liga Europa, pois duvido que este ano se ganhe essa prova.

Porque para isso era preciso que os jogadores se focalizassem a sério em ganhar TODOS os JOGOS em que entram e tenho muitas duvidas que Vitor Pereira consiga passar essa ideia aos jogadores.
E sinceramente estou com receio já no jogo de Aveiro, frente ao Beira-Mar, vamos jogar com uma equipa que sabe defender muito bem e o FCP com este nível de ineficacia ofensiva vai ter muitas dificuldades, espero estar enganado e que Vitor Pereira consiga "moralizar" a equipa para este jogo.

Concordo que o FCPORTO fez um bom jogo até a entrada da area, muita posse de bola, muita circulação com eficácia e com a defesa e globalmente a equipa concentrada em momentos defensivos... mas dentro da area contrária, não existiu discernimento, jogadores a acusar a pressão e sem um matador na equipa, pede-se a Hulk que resolva, com ele num dia não a nivel de finalização e de jogo colectivo, quem temos que desiquilibre???
Moutinho esteve bem em passes de ruptura, James na 2ªparte a criar desiquilibrios de posição mais recuadas, mas nas alas e na frente, nada de novo, com Kleber a ser quase inexistente para este nivel e o outro extremo apenas a cumprir, sem aparecer para definir, ou seja, falta de classe em alguns jogadores para continuarem na Champions.

Perde-se 4 milhões pelo afastamento e porventura mais um milhão por possivel passagem aos 4ºfinal, pois se o FCP ganha-se ontem, passaria para 1º do grupo e com um pouco de sorte podia sair algum clube menos cotado, mas nem isso o FCP soube aproveitar.

Nota Positiva: a forma como os jogadores encararam os ultimos 3 jogos, principalmente de forma profissional, dando tudo, tentando tudo, mas este é um plantel com carências em algumas posições e isso já não depende dos jogadores.

Mas tivessem os jogadores dado tudo em todos os jogos e não tivessem feito birras e estariamos concerteza na fase seguinte, tanto na Champions como na Taça, mas para isso é preciso pulso... para saber liderar um balneário...

Nota muita negativa, para a forma como o FCP não aproveita os lances de bola parada, os livres sairam todos mal, á excepção de um remate de muito longe do Hulk.
Os livres ou cantos laterais são uma miséria, já não me lembro do FCP marcar um golo a partir de um lance destes, não se trabalha nos treinos ou só nos jogos é que não sai nada???
Os jogadores não ganham uma bola aerea na area contrária, assim fica dificil, se não se consegue aproveitar estes lances, perde-se um momento fundamental do jogo para fazer golos...


Nota negativa:Vitor Pereira insiste em Maicon a defesa direito, e foi o que ele foi, defesa direito, não ala direito, o que reduziu os movimentos ofensivos do FCP pela direita, onde não tinhamos ninguêm a fazer o vai-vem, ele jogou mal, não, até fez um jogo bom a defender, mas um defesa direito do FCP não pode ser tão limitado, mas Vitor Pereira é que sabe, nota-se pelos resultados...

Jogadores:
Helton, apenas na parte final foi colocado á prova e teve á altura a jogar como libero da defesa.
Maicon, muito bem a defender, tanto a lateral como a central, mas inexistente a atacar, mas a culpa não é dele.
Rolando, concentrado, e assim a sua subida de rendimento nota-se, bem nos cortes e nos passes.
Otamendi, dos melhores jogos esta Época, concentrado e mesmo com um amarelo, esteve sempre seguro na defesa, saiu perto do fim.
A.Pereira, bem na defesa e bem a apoiar o ataque pela esquerda, mas não vai cruzar á linha como ia o ano passado, talvez por saber que na aéra não está Falcão, e então faz os cruzamentos ainda detrás da linha da grande área e isso limita a eficácia dos cruzamentos, pois fica mais fácil para os defesas anular esses centros.
Fernando, muito bem na sua área de acção, principalmente na recuperação, faltou mais discernimento na hora de circular a bola com passes mais directos para os avançados.
João Moutinho, o melhor do FCP, ganhou muitas bolas e definiu quase sempre bem, com alguns passes de ruptura muito bons, pena é que os remates dele não sejam mais fortes.
Deffour, menos bem neste jogo, apenas jogou a 1ªparte, pois julgo que com a pancada que sofreu perto do intervalo, saiu lesionado, mas não estava nos seus dias a nivel de movimentação ofensiva.
Djalma, lutador qb, tacticamente disciplinado, falta-lhe classe para estes jogos, pois não pode falhar um golo como o que falhou logo aos 7m..
James, escondido na 1ªparte a jogar a extremo, muito melhor a jogar a "10", onde pegou no jogo ofensivo do FCP, falhou um golo na cara do GR, excelente defesa, criou lances pelo meio em tabelas e passes, rematou, mas não acertou nas redes...na parte final estava de rastos e já não conseguia ter discernimento.
Hulk voltou a jogar 45 m entre os avançados, mas sem rotinas para jogar em ataque continuado, enfiado entre os defesas centrais, não conseguiu fugir em velocidade, pois os russos jogaram em bloco baixo e não permitiam esses movimentos e como as tabelinhas não apareciam e ele não conseguia espaço para rematar fora da area...
Na 2ªparte, com a entrada de Kleber, Hulk voltou para extremo direito, mas muito preso ao flanco, sem grandes movimentos de ruptura e como a jogada que mais fazia o ano passado custa a sair este ano por falta de rotinas dos colegas para abrirem espaço para ele ir da direita para o centro para ter vários remates limpos no centro, perde-se em fintas e individualiza muito o jogo, falhou um golo no inicio da 2ªparte que é impeordavel para um jogador como ele, que tem de definir, pois se ele não desiquilibra, não restam muitas opções...
O problema é que entra Kleber, fez toda a 2ªparte, e se não lhe derem uma bola onde só precisa de encostar, ele não consegue criar uma jogada, nem fintar um defesa contrário... é quase jogar com 10, tal a ineficacia de movimentos com a equipa que ele tem, umas tabelinhas pelo meio, mas é muito estático para este modelo de jogo do FCP.
Varela, entrou por Djalma, mas este Varela está sem ritmo, sem fé nele próprio e não desiquilibra.
Bellushi, entrou a 10m do fim por Otamendi, a jogar mais sobre a direita no meio campo, mas não trouxe nada de novo.

Foi também um jogo onde faltou sorte, pois tantos remates, e nem um golo, que neste tipo de jogos faria toda a diferença, mas a sorte também se trabalha, e falhar golos na cara do GR não pode acontecer a este nivel.

Arbitragem teve um erro claro, aos 45m., um jogador do Zenit, nº20 comete uma falta dura para amarelo, seria o segundo e teria de ser expulso, tal não aconteceu e poderia ter feito toda a diferença na 2ªparte.

Adenda, se o FCP tem passado em primeiro, tinha como possiveis adversários:

Napoles, Cska, Basileia, Lyon, Bayer Lerkusson, Marselha, Milão

Cairam para Liga Europa:

Man. City, Trabzonspor, Man. United, Ajax, Valencia, Olympiakos, Plzen

Sinceramente, um lote de equipas muito forte para disputar a Liga Europa este ano...

Força PORTO para os proximos e decisivos jogos no Campeonato, Beira-Mar e Maritimo antes da paragem de Natal, não peço menos, 6 pontos, concentração ao maximo e confiança no grupo e na equipa...

sábado, dezembro 03, 2011

A Semana: da questão do treinador à vergonhosa comunicação social que temos

Mudança de rumo?

Depois de uma decepcionante exibição em Coimbra, que redundou numa derrota por 3-0 diante da bem organizada Académica, não faltaram paineleiros a promover as exéquias da equipa do FC Porto. Eu próprio, confesso, fiquei algo pessimista em relação ao futuro próximo da nossa equipa já que se avizinhavam dois compromissos importantes: Shaktar para a Liga dos Campeões e SC Braga para o campeonato, ambos ossos duros de roer.

A resposta foi a melhor possível com duas vitórias importantíssimas a abrirem excelentes perspectivas na competição maior de clubes da Europa e a manterem o FC Porto na liderança do campeonato. Vendo as últimas duas exibições e comparando com o jogo de Coimbra, é caso para perguntar o que mudou de um jogo para os outros? Fundamentalmente a atitude dos jogadores!

Continuo a dizer que Vítor Pereira não é treinador para o FC Porto ou, se o é, isso ainda está para provar. A preocupação excessiva em dar o seu "cunho" à equipa, levou ao abandono das rotinas que caracterizavam o FC Porto avassalador da época passada. A fixação cega no 4-3-3 colocou muitas vezes o FC Porto em cheque. Parece agora que houve uma mudança para um 4-2-3-1 que redundou nas duas vitórias acima citadas, com Hulk a ser posicionado a ponta-de-lança. Por outro lado, também há que apontar algumas falhas na leitura do jogo e nas substituições que vai fazendo e que nada trazem ao jogo. Não concordo com a aposta continuada em Maicon como defesa direito (P. Emanuel soube explorar muito bem esse facto) e a inclusão de Hulk no eixo de ataque resulta bem em alguns jogos mas noutros já pode ser nocivo para o FC Porto.

MAS... com os jogadores que o FC Porto tem, a equipa deveria ser capaz de render algo mais em determinados momentos. O que falha então? A mentalidade de alguns jogadores que fizeram com que estivessem a léguas daquilo que já lhes vimos fazer. O puxão de orelhas presidencial após o jogo de Coimbra parece ter surtido efeito e, tenha ou não acontecido o falado compromisso entre jogadores, treinador e presidente, os resultados estão à vista.

Veremos agora nos próximos compromissos se a tendência é para manter e se na próxima Terça-feira, como todos esperamos, o FC Porto confirma o apuramento para a próxima fase da Liga dos Campeões e no Sábado deixa em Aveiro a boa imagem que não deixou nesse estádio contra o corajoso conjunto do Feirense.

Os assobiadores profissionais

O adepto do FC Porto é por norma um adepto mal habituado e que exige sempre um elevado padrão de qualidade no jogo e nos resultados da equipa. Épocas fantásticas como a última ajudam a fomentar esta exigência mas, por outro lado, fazem com que muitos adeptos esqueçam os caminhos difíceis que este clube já teve de percorrer e as várias frentes de luta em que teve de se envolver (e que hoje ainda enfrenta) para alcançar o estatuto de clube português de maior prestígio.

É legítimo ficar-se decepcionado com exibições recentes e eu próprio não fico nada contente mas fico furioso a sério quando vejo adeptos a darem-se ao trabalho de ir insultar e apupar a equipa quando ela mais precisa de apoio. É claro que a própria mentalidade portuguesa tem influência nessa atitude e é muito fácil ser adepto quando as coisas correm bem do que quando correm mal. Os portugueses são assim por natureza. Estão habituado a puxar pela sua equipa depois desta puxar por eles, mas haja bom senso!

Para apupar e insultar a equipa mais vale despirem a camisola azul e branca, que tantas boas memórias nos traz, e vestirem uma vermelha pois é essa que servem nesse momento.

Do camarada Valdemar ao festejo de Pedro Gil

Parece que o camarada Valdemar, a que alguns chamam jornalista para desprestígio da própria classe dos jornalistas, se viu em apertos após o jogo entre o FC Porto e o SC Braga, jogo em que o camarada Valdemar se fartou de maldizer o que viu e ainda de inventar mais umas quantas coisas que não viu, no cumprimento do seu já conhecido sentimento anti-portista.

Não sei se o camarada Valdemar levou mais ou menos bofetadas do que aquele senhor de sotaque brasileiro que, há uns anos e à frente de um agente da autoridade, levou umas bofetadas na sua chegada ao aeroporto da Portela por parte de um segurança que, de vez em quando, ao que parece, faz uns biscates em túneis, e que na altura escoltava um conhecido comerciante de pneus e empresário de construção civil, que ultimamente tem feito muito bons negócios em Espanha nessa área.

Não interessa para o caso nem sei se terá ou não as mesmas consequências judiciais que esse caso teve na altura. O que sei é que o camarada Valdemar acabou por colher, infelizmente da pior forma, aquilo que ele mesmo tem vindo a semear com elevado ânimo.

Noutra modalidade, numa notícia publicada ontem, a Bola Vermelha mostra que o seu empenho na propaganda vermelha continua ao mesmo nível da imaginação dos que infestam as instalações do diário. Desta vez viram num festejo do hoquista Pedro Gil uma manifestação de reivindicação de supostos pagamentos em atraso.

Ao ver as imagens fiquei também convencido disso pois vi na expressão de alegria efusiva de Pedro Gil uma expressão de alegria que só tem comparação com a alegria que tenho visto no rosto dos participantes das manifestações que têm acontecido por essa Europa fora.

Senhores "jornalistas", com franqueza...! Há locais e alturas próprias para se dedicarem à produção de ficção literária.

Nem um penalty artístico lhes valeu...

Ontem, o anunciado vencedor de todas as competições em que participava na corrente época sofreu um inconveniente dissabor ao perder com o Marítimo por 1-2, sendo eliminado portanto da Taça de Portugal e nem lhes valendo um penalty fantasma assinalado sem hesitação pelo camarada Paulo Baptista.

Fica no entanto desse lance o registo de um momento de rara beleza artística e também a confirmação de que, pelas bandas da Luz, o movimento de queda no relvado é trabalhado de forma assídua nos treinos. Vejamos os dois exemplos mais recentes:

Movimento 1: Nolito efectua um movimento de queda que lembra o estilo "tronco seco na floresta", deixando um sulco cavado no relvado com a perna direita em jeito de cedilha para acentuar o efeito estético do movimento. Nome de código "Manobra do Lavrador Andaluz".



Movimento 2: Artur efectua uma manobra de simulação da presença de um franco-atirador nas bancadas após indicação do melhor treinador do Mundo. Nome de código "Manobra Sarajevo".

quarta-feira, novembro 23, 2011

Shaktar x FC Porto

Vítor Pereira:
"É um jogo diferente. Estamos na Liga dos Campeões e daremos a resposta necessária. Não vamos repetir os erros de Coimbra. Vamos ter um FC Porto diferente com toda a certeza."

Bom, verdade seja dita, o FC Porto de Coimbra também foi diferente do FC Porto de Nicósia... para pior! Parece ser essa a tendência desta época, numa lenta curva descendente.

A ver vamos.

sábado, novembro 19, 2011

Académica 3 x 0 FC Porto. Eis a diferença...


...entre uma equipa com jogadores que, não sendo extraordinários, estão bem arrumados e uma equipa, com grandes jogadores, totalmente desarrumada.

E eis que em Novembro o FC Porto já foi afastado da Taça de Portugal e corre o risco de ficar pelo caminho na Champions. O optimismo para o jogo de Donetsk deve estar reservado a uma ínfima minoria.

Parabéns à Briosa, parabéns Pedro Emanuel.

A.AcadémicaC.-3---FCPORTO-0

Estamos fora da Taça de Portugal, na 2ªeliminatória, perante um adversário que nos foi superior, pois sabiam o jogo que tinham de fazer para passar, ... e o FCP não sabia...

1º ponto: tivemos 15 dias para resolver uma situação, não a resolvemos e agravamos os problemas, principalmente mentais.

2º ponto, pior que uma 1ªparte onde o FCP não rematou á baliza só uma 2ªparte onde sofremos 3 golos e não conseguimos marcar nenhum...

3º ponto, ou os jogadores colocam os pés nos chão, ou então não ganhamos nada este ano, não quero ser pessimista, mas estou farto de paninhos quentes, será que a direcção do clube não percebe que ninguém em campo está disposto a "morrer" pelo treinador Vítor Pereira?

4º ponto, Quarta-feira e Domingo, 2 jogos decisivos em competições distintas, ... a jogar assim e a não fazer nada para mudar as coisas em campo, vai ser muito dificil.

1ªparte, um FCP lento, com um jogo previsivel, sem ninguêm fazer nada para alterar as coisas...

Mas...

Na 2ªparte percebi porque é que o FCPORTO jogou tão devagar na 1ªparte. É que quando começaram a acelerar o jogo do FCP, os jogadores saíam de posição e depois não recuperaram da melhor forma essa mesma posição, deixando muito espaço nas costas, principalmente dos laterais, tanto direito como esquerdo.

Os golos apareceram assim...em contra-ataques razoavelmente gizados mas que culminavam em golos.

O FCP até entrou bem na 2ªparte, a pressionar mais alto, mas foi apenas durante 10, 15m... criou mais lances junto da area contrária, mas era pouco o discernimento dos jogadores na hora de rematar à baliza. Depois foi uma confusão...

O FCPorto sofre o 1ºgolo, numa tremenda falha defensiva pelas laterais, com ambos os laterais, Maicon e A.Pereira a deixarem fugir os seus adversários directos.

A partir dai, o FCPorto tentou, mas com alguns jogadores em sub-rendimento, que até fizeram grandes jogos pelas selecções a meio da semana. No mínimo estranho!

Saiu Belluschi, e entrou James que até veio agitar o jogo, mas o FCP estava muito mal no jogo colectivo. Nada saia bem, e sem combinações no 2 para 1, nada funciona. Quando se perdia a bola, não existia pressão imediata, o que permitia à Académica explanar o contra-ataque. Numa falha do Maicon, a parar à espera de uma falta, o jogo prosseguiu e surgiu um cruzamento onde na marca de penalty estava um jogador sozinho que rematou para o 2-0.

Depois disso o descalabro foi abismal! Do banco, 2 alterações: saída de Moutinho (muitos furos abaixo) e Varela (nem parece o mesmo jogador) para entradas de Defour (para duplo Pivot) e Kleber (encostado aos centrais, mas sem trazer nada ao jogo).

Mas marcar golos, é mentira! Não me lembro de ver os avançados a rematar à baliza. A equipa enquanto equipa não conseguiu isolar nenhum jogador na cara do guarda-redes.

Ainda por cima Hulk estava trapalhão e as diagonais para o centro e posterior remate não saiam. Assim, quem pegava no jogo do FC Porto?

Bellushi, esteve 15 dias parado e regressa como terminou: mal! Sem pegar no jogo, sem fazer nada que se evidencie pela postiva, além de perder bolas e ficar parado...

Fernando, julgo que o melhor remate da equipa foi dele, ainda com 0-0.

Moutinho, parece-me que esteve seguro com jogo lento, mas depois a tentar pressionar mais à frente e com o jogo a uma maior velocidade, perdeu-se e os passes ofensivos não saíram.

O que se viu foi um acumular de erros defensivos, como no 3ºgolo, e nenhum discernimento no momento ofensivo. O que é preciso mais? Sair da Liga dos Campeões? Deixar fugir os adversários no Campeonato???


Jogadores, um a um:

Bracalli, Vitor Pereira arriscou um pouco, mas não foi por ele que o FCP perdeu, mas depois de 2 resultados menos conseguidos, o ideal seria jogarem os melhores...

Maicon, 2 buracos do lado direito resultaram em 2 golos na zona central, mas que outra opção havia para lateral direito? Otamendi...

Faltou apoiar mais o ataque no flanco direito.

Rolando, erro enorme no 1ºgolo, a facilitar o alivio para onde estava virado e com a defesa descolocada, 1ºgolo contra... está nitidamente a precisar de banco, mas eu digo isto há uma série de jogos e ele é sempre titular, portanto é porque os outros estão pior.

Otamendi, parece desmotivado em campo, com pouca dinamica, e algo lento, não parece sentir a equipa e assim pouco acrescenta ao grupo.

A.Pereira, tentou agitar as coisas, mas acho que já percebeu que este ano não tem para quem cruzar na area, e assim perde o objectivo final das subidas que faz pelo flanco...

Na defesa facilitou 2 ou 3 vezes, como no lance do 1ºgolo, onde deixou fugir o extremo contrario...

Fernando, o melhor em campo, pressiona, corre, ajuda nas laterais... não foi por ele, e ainda ia marcando um golo num bom remate de fora da area.

Moutinho, não parece o mesmo que joga na seleção, para mim é pela falta de dinamica que o FCP tem, e ele perde-se em campo a tentar ir a todas as bolas e sai da posição, abrindo um buraco na sua zona de acção.

Belluschi, nada sai bem a este jogador, parece ausente, sem participar em combinações, e sem colocar o pé em bolas divididas, muito pouco para um jogador que está a jogar a 10 e precisa criar jogo para os seus colegas da frente, mas nada...

Varela, algumas tentativas de combinações com A.Pereira, mas muito pouco, não ganha o um para um com nenhum adversário de qualquer equipa, centros disparatados...nada...

Hulk, pouca dinamica, encostado ao lado direito, sem conseguir ir para a linha cruzar, ... sem ganhar a diagonal para possivel remate, ... e isto porque, é fácil anular um jogador se este joga individualmente e se os adversários conhecem como ele joga, e se não se treinam alternativas nos treinos, então é esperar que um remate de certo...

Walter, tentar tentou, correu, lutou, foi ás linhas tentar tabelar, mas na area não conseguiu um remate limpo, nem uma boa desmarcação, mas se os médios não lhe conseguem colocar uma boa bola numa boa jogada, pouco consegue fazer...

James, tentou agitar o jogo, sendo mais rápido, partindo da esquerda para o meio, mas falta-lhe ganhar mais estofo fisico, perdeu sempre no confronto directo.

Defour, pouco trouxe ao jogo, estava 0-2 e a equipa estava algo perdida em campo.

Kleber, encostado aos centrais, mas sem ganhar bolas na area.

Realce pela negativa a varios momentos em que o FCP perdia a bola e a defesa era apanhada em contrapé e os médios demoravam uma eternidade a pressionar, deixando pensar numa zona nuclear do campo...

E também ao facto de o FCP em bolas paradas laterais ou cantos não fazer nada de jeito durante uma série de jogos consecutivos... Treinos parece que não há...

Treinador Vitor Pereira, obviamente demita-se, perder por 3-0 e ser eliminado da Taça de Portugal, depois de 3 jogos seguidos sem ganhar e com várias competições em risco, já se percebeu que os jogadores pouco o entendem, e que o esquema táctico que quer implantar no FCP não funciona, quanto tempo ou jogos mais vai ser preciso para perceber que o Seu Clube está a perder, e ele como Lider, se não consegue dar a volta ao texto, então, seja coerente e assuma que não consegue, porquê vir dizer no final do jogo que o FCP fez um jogo horrivel, isso também eu vi, quero é que ele assuma as responsabilidades.


Bruno Paixão, possivel lance de falta no 2ºgolo, mas nada apitou... houve outros lances iguais em que apitava logo ao 1ºcontacto, mas, seja como for, o Maicon não pode ficar á espera de falta.

Força FCPORTO para os proximos importantes e decisivos jogos em 2 competições diferentes, que esta já foi á vida, e nem luta demos e perder sem dar luta é o pior que pode acontecer ao FCPORTO, sinal que algo está muito mal no seio do grupo de trabalho, mas como deve ser para continuar assim... enfim...

Nota: Parabéns às Modalidades, 3 jogos, 3 vitórias, Andebol, H.Patins e Basquetebol.

terça-feira, novembro 15, 2011

"O Sistema Porto" - Grande reportagem do L'Équipe

O último número do l'Équipe Mag, de 12 de Novembro, dá um grande destaque ao sistema de gestão do FC Porto, destacando o sucesso da sua política de transferências que lhe permite ir buscar jogadores a baixo preço para depois os vender aos grandes "tubarões" europeus por milhões. É ainda destacada a forma como a equipa do FC Porto, apesar de todos os anos perder grandes figuras, se consegue manter competitiva e ganhadora, facto que aliás se traduz em 24 troféus conquistados desde 2001.

Excertos:

"Este Verão, o Porto vendeu o seu avançado colombiano Falcao ao Atlético de Madrid por 40 M€, após tê-lo comprado por 5,5 M€ dois anos antes. Desde o ano 2000, o clube obteve mais de 415 M€ em receitas de transferências (ver abaixo) e apresenta a particularidade de vender também... os seus treinadores. O Chelsea pagou 6M€ por José Mourinho em 2004 e 15M€ este Verão por André Villas-Boas."

"Os olheiros, o staff técnico e a administração do clube têm de estar de acordo na compra de um jogador, a decisão deve ser unânime. A nossa avaliação não diz respeito apenas à qualidade desportiva do jogador, também damos importância à sua capacidade de integração e ao seu contexto familiar"

"A História fala por nós: aqui ganhamos muitos títulos e depois podemos sair para um clube ainda maior. Os jogadores sabem muito bem disso. A marca Porto existe"

Vale a pena ler a reportagem e constatar que, ao contrário do que dizem por aí muitos "sabedores" para quem o Mundo é do tamanho do seu umbigo, o FC Porto lá fora é conhecido pela excelência da sua organização, sendo sem sombra de dúvidas uma marca de sucesso e de prestígio.

Podem ler a reportagem em português na íntegra no blog do meu estimado Dragão Vila Pouca, que aliás foi quem me deu a conhecer a reportagem, clicando aqui.

sábado, novembro 05, 2011

"O pior cego é aquele que não quer ver"

Olhanense-0-FCPORTO-0


Hipótese de ganhar 3 pontos, e esperar pelo jogo do oponente directo em Braga, e sai um FCP europeu...ou seja, sem nível...

Depois da derrota em Nicósia, esperava um FCP a querer e a fazer tudo para limpar a imagem mas, se isto é tudo, então está tudo dito! Há jogadores que estão a viver dos rendimentos do ano passado e pouco ou nada fazem para mudar este ano e o estado do futebol praticado pelo FCP.

E pronto, mais do mesmo. Um Porto lento, com um jogo muito mecânico, mas muito previsível para um adversário que sabe defender, mesmo que com 11 atrás da linha da bola. Já o Apoel tinha demonstrado isso por 2 vezes e D.Faquirá é um treinador astuto e assim colocou a sua equipa recuada. Com 2 centrais altos e fortes e um meio campo de combate travou logo à partida um FCP previsível.

Contudo, os primeiros 15m., 20m. do FCP até foram positivos, com um penalti ganho por Kleber aos 3m., apesar de falhado por Hulk, 2 boas defesas do GR.

O FCP continuou a mandar no jogo, mas sem conseguir ser objectivo, apesar de um possível (para mim) 2ºpenalti, por mão de um jogador do Olhanense, que o arbitro não assinalou. Houve muitos cantos sem aproveitamento, pois eram marcados muito para a pequena área onde o GR mandava, e este esteve muito bem nesses lances aéreos.

Por várias vezes os jogadores do FCP apareciam em boa posição para efectuar bem o ultimo passe mas depois executavam mal... Nervosismo???


Aos poucos o FCP perdeu o dominio absoluto que tinha do meio campo, embora um pouco consentido pelo Olhanense, mas ai conseguiu sempre evitar que as investidas dos avançados contrários criassem perigo, mas começou a ver-se alguns jogadores do FCP presos na sua posição, sem desmarcações na frente ou meio campo e, com isso, o jogo ofensivo claramente emperrou, pois com os extremos em baixo de forma, fica ainda mais evidente que a nível individual ninguem consegue resolver.

Na 2ªparte, A.Pereira pareceu ter ordem para subir mais e James para vir para o meio, jogando quase com a defesa a 3. Infelizmente, o problema no meio campo continuava, sem passes de ruptura ou sequer desmarcações bem conseguidas. Tudo se torna previsivel neste FCP de Vitor Pereira...

Depois as alterações... O FCP está empatado e faz-se uma troca directa de avançado?! Porque não jogar com 2, colocando James definitivamente no meio e arriscando mais? Tinha de sair Belluschi que não esteva nada inspirado...

Por outro lado, porque não entrar Varela para o lugar do argentino, uma vez que os principais lances do FCP surgiam pelas alas? Se Maicon na 2ªparte não subia tanto, já que A.Pereira fazia o corredor todo do lado contrário, entrava Varela para a direita e Hulk encostava-se mais ao avançado centro, Walter, já que Kleber tinha sido substituído.

Nada! Do banco só se troca avançado por avançado e médio por médio... Sem comentários!

Dei por mim a desejar que algum cruzamento desse em auto-golo pois, tal como em jogos anteriores, está dificil de fazer um golo. Os jogadores estão claramente sem confiança e até de penalti falham agora...

Claro que com o jogo a arrastar-se para o fim, os jogadores do FCP arriscavam mais e até pela saida de Fernando, passou a existir mais espaço para o Olhanense. Felizmente eles também não sabem mais e em termos ofensivos são fracos. Apenas tentaram e conseguiram manter o nulo até ao fim.

Competia ao FCP inverter isso, mas este FCP de Vitor Pereira não está para grandes correrias, nem para grandes sacrificios, pois alguns jogadores ou estão mesmo em baixo de forma ou disfarçam muito bem- O problema é que já são muitos e assim, enquanto equipa, enquanto colectivo e conjunto sai muito pouco...

Quando se conseguiu posição de remate á baliza, tudo saiu mal. Mangala de cabeça na pequena area atirou por cima e Hulk por 3 vezes rematou torto, quando estava em posição frontal. Os cruzamentos eram todos cortados pelos defesas para qualquer lado (só não para a baliza...) e os avançados deixaram-se sempre antecipar!!!!


Jogador a jogador:

Helton, quase não teve trabalho.

Maicon, gostei dos cruzamentos que fez, sempre tensos, mas acho que na parte final devia ter subido mais no terreno.

Rolando, bem nos cortes atrás mas nos passes longos esteve mal, pois falhou vários.

Mangala, nervoso, falhou passes fáceis, pois eram curtos, e isso revelou intraquilidade. Teve mesmo algumas entradas a destempo.

A.Pereira, para mim está a subir de forma, pois faz a preceito todo o flanco esquerdo. Só é pena que não acerte nos cruzamentos, talvez por culpa de falta de rotinas com quem está na área.

Fernando, talvez o jogo menos bom dos ultimos tempos, tendo que fazer muitos passes, nem todos sairam bem e com isso enervou-se um pouco.

João Moutinho, não está em forma, numero elevado de passes falhados, sem conseguir dinamizar a equipa á sua volta. O meio campo do FCP parece estar actualmente a jogar com o triangulo invertido, com Moutinho mais perto de Fernando e Bellushi a aparecer quase como nº10.

Belluschi, esteve em campo??? É que quase não dei por ele, tirando as vezes em que se deixou antecipar pelos adversários. Muito pouco para tanto tempo em campo. Embora este ano apareça mais à frente, não se consegue evidenciar e com isso a equipa perde um médio.

Hulk, falhou um penalti. Remate denunciado e pouco colocado, sendo de realçar a defesa do GR das 2 vezes... Esteve ausente da 1ªparte e só na 2ªparte apareceu mais no jogo, mas pouco assertivo e lento. No 1 contra 1 raramente conseguia ultrapassar o seu marcador. Mesmo assim, foram dele os lances de mais perigo, com 3 ou 4 cruzamentos fortes colocou os defesas em apuros, mas ninguem se antecipou para empurrar para a baliza... Ainda conseguiu rematar por 3 ou 4 vezes na entrada da area, mas sempre torto...

Kleber, foi sobre ele o penalty, num lance em que ganhou bem a posição, mas no resto do jogo esteve pouco participativo em tabelas e desmarcações. Rematou à baliza?

James Rodriguez, macio em campo, sem garra nas divididas, perdeu a maior parte, e esteve pouco dinamico. Na 2ªparte, com Alvaro a subir mais, foi mais para o meio, mas faltou maior esclarecimento.

Walter, entrou aos 60m para o lugar do Kleber numa troca directa que mostrou a falta de audácia do treinador. Porque não os dois juntos em 4-4-2, com Hulk e James nas alas?
Ainda assim Walter entrou bem, mais rápido e mais participativo, mas não conseguiu isolar-se para ter um remate limpo...

Defour, entrou para o meio campo, quando o que se precisava era um homem para a frente e nada trouxe.

Guarín, idem como Defour, com a agravante de parecer pesado e pouco esclarecido.


Estas 2 substituições demonstram que este FCP de Vitor Pereira só sabe jogar em 4-3-3 e não sabe alterar para nenhum outro sistema. Mesmo dentro do 4-3-3 parecem não existir variantes. Não há desmarcações dos médios pelas alas nas costas dos extremos, como o ano passado... Pouco! Muito pouco!

Vitor Pereira, já o tinha dito e repito, não tem estaleca para o FCP. É um avião grande de mais para ele. Pode ser portista, honesto, trabalhador (tudo louvável) mas para treinador principal do FCPORTO não serve.


Que esta paragem sirva de reflexão a quem de direito...


Se amanhã perdermos a liderança para o Benfica e o Sporting ganhar, o FCP passará a ser o alvo a abater e a desconsiderar pelos jornalistas e fazedores de opinião. Teremos mais do mesmo portanto...

Para muitos jogadores do FCP, no entanto, isso diz pouco. Eles recebem o deles (e não é pouco!) e numa altura em que já seria de esperar um FCPORTO entrosado com o novo sistema de Vitor Pereira, pois já são 3 meses de treinos, jogos particulares e muitos jogos a sério o que vejo, comparando por outros clubes por essa Europa fora, é quase impensável, tal o mau futebol que o FCP pratica. Pena é que o treinador não veja isso.


Quanto à arbitragem, falo no fim, pois prefiro avaliar tudo o resto antes, e só depois falar em terceiros e nas suas culpas.

No lance do penalti assinalado, seria amarelo ou vermelho para o defesa? A bola não estava controlada, mas o Kleber estava isolado...Contra 10 era outra história.

Passado uns minutos (aos 20m.) existiu um penaltie de um defesa do Olhanense, pois cortou com a mão uma bola cruzada ainda de uma boa distância, mas o arbitro não quis marcar penalti. Apesar de ter visto o lance, julgou-o não intencional, mas o que é facto é que o jogador cortou a bola que seguia para a pequena area onde estavam avançados do FCP.

Ainda durante o resto do jogo, percebeu-se que os jogadores do Olhanense podiam entrar mais forte, que não veriam amarelo, enquanto os do FCP à minima falta era logo amarelo como se viu com Fernando e Rolando. "Critérios".

Pela análise que muitos fazem em relação a outros jogos, o FCP foi espoliado em 2 pontos neste jogo...

FORÇA FCPORTO!!!!!!

quarta-feira, novembro 02, 2011

"Jogar sem Alma"

Apoel-2 - FCPORTO -1


Mais um resultado Europeu bastante comprometedor para o prestígio do FCPORTO.


Resultados na Europa este ano:

- Barcelona, derrota por 2-0 no melhor jogo do FCP na Europa.
- Shaktar, vitória por 2-1 num jogo em que foi melhor o resultado do que a exibição.
- Zenit, derrota por 3-1 num péssimo jogo do FCP.
- Apoel de Chipre!!!, empate no Dragão e derrota fora, no mínimo humilhante!!!

Mas pior do que o resultado foi a exibição.

Agora só um milagre qualifica o FCP, já se sabia que o grupo não era fácil, mas estar quase fora dos 8ºfinal ao final do 4ºjogo é um feito muito negativo e que merece reflexão, uma reflexão séria e honesta.


Vitor Pereira não tem estaleca para este FCPORTO e porquê?

Devia ser capaz de convencer os seus jogadores que ainda tinham muito a ganhar esta época e manifestamente não o conseguiu, poderá não ser o unico culpado, mas é ele que é o lider da equipa, ou pelo menos devia ser...

Pode ser um bom adjunto, mas não conseguiu até agora dizer aos seus jogadores como quer que a equipa jogue e se o disse, os seus jogadores não o ouvem da mesma forma.

E a prova disso é que muitos jogadores estão presos às suas posições em campo, e quando em movimentação ofensiva tentam trocar de lugar e perdem a bola, ficam completamente perdidos em campo nas chamadas transições defensivas...

Gostava de poder dizer que este ano já vi o FCPORTO fazer uma exibição bem conseguida durante 90m., mas estaria a mentir.

Pode até acontecer ele continuar e ser Campeão, mas eu não gosto da maneira como a equipa está a jogar, e costuma-se dizer com razão que até se podem ganhar alguns jogos a jogar pouco ou mal (ou apenas a jogar 45m. em condições) mas dificilmente se ganham titulos a jogar mal.

O que mudou do ano passado para este ano? Mudou a mentalidade, existem muitos jogadores que em alguns momentos, ou jogos, se alheiam do jogo, deixam de pressionar, de trocar a bola com critério e passam a individualizar e a tentar resolver tudo sozinhos.

Depois o critério das substituições, deixa muito a desejar.

Então, se claramente existem jogadores a jogar mal, porque é esse o substituído? Não. É sempre o Fernando, para balancear a equipa para a frente, tira-se o Pivot defensivo da equipa, logo a equipa tacticamente fica pior, e já não é a primeira vez que faz isto...

Kleber, manifestamente "verde" para este nível e sem nenhuma alternativa no banco. Porque não alterar o sistema para um 4-4-2 classico, ou 4-4-2 losango com 2 avançados móveis na frente???

Nada! Do banco não sai nada! Já dou por mim a pensar que, sem estratégia, como será que o FCP vai conseguir marcar um golo? Contra o Paços foi um auto-golo que desbloqueou o jogo.

Ah e tal e o FCP até goleia..., mas marcar o primeiro é dificil e fazer a gestão de um jogo dificil torna-se quase impossivel, pois os jogadores estão descrentes...


Jogadores:

Helton, não tem estado mal, mas uma defesa daquelas dificeis de vez em quando era bom, como hoje, pouco fez, mas se defendesse o 2-1 num remate à queima, era bem melhor, falta-lhe isso...

Fucile, Epoca insuficiente para este lateral, pois sendo o melhor dos dois, não consegue desiquilibrar em momentos ofensivos e na defesa já comprometeu, como em Zenit...e contra o Benfica...

Sapunaru, lento a subir e a defender também não está muito bem esta epoca, muito complicativo.

Rolando, algo se passa com este central, será da cabeça? Queria ir embora e não foi... mas faz-lhe falta banco...perdeu velocidade e ritmo de jogo...

Otamendi, saiu da equipa, pois estava a jogar pouco para um central da sua categoria, era uma boa ideia coloca-lo na direita...para ver como funcionava.

Mangala, precisa de crescer, mas nota-se Alma neste jogador, vontade de mostrar algo...

Maicon, o ano passado ainda ia alternando com Otamendi, este ano foi relegado para a bancada. Não vejo treinos...

Álvaro Pereira, quando parecia que estava a voltar a uma boa forma fisica, que não de cruzamentos, fez um disparate, perdeu a bola e o FCP sofreu o 2-1... vamos ver como reage... É preciso um bom A.Pereira para o FCP carburar pelo lado esquerdo.

Fernando, certinho, não inventa, mas ofensivamente é quase zero, vale pelo aspecto defensivo, pois equilibra a equipa, e sem ele, é um buraco naquela zona...

Moutinho, em sub-rendimento, ainda não atingiu 65% da forma em que estava na epoca passada, e isso nota-se em campo...e tacticamente não esta a conseguir pressionar à velocidade que o jogo lhe exige...quando consegue uma parte em bom ritmo, nota-se na equipa...

Guarin, será que queria continuar no FCP? Não me parece, perdeu a forma, está pesado e lento e isso demonstra o quanto queria sair... é um grande jogador, que foi decisivo o ano passado em vários jogos, mas este ano, parece outro.

Belluschi, o ano passado jogava onde lhe pediam para jogar, pressionava no meio campo, este ano, só joga onde quer, mas como lhe falta categoria para ser um grande nº10 que pensa que é, faz birras... e isso nota-se quando não lhe passam as bolas...é um daqueles que se nota que está perdido tacticamente em campo...

Defour, espero mais, mas não acho que seja o responsável pela falta de dinâmica no meio-campo.

Varela, pesado, sem ritmo, logo lento, tenta cumprir tacticamente, mas inventar lances de extremo não é com ele, e marcar golos então é mentira...

James, parece receoso, sem alegria, mesmo assim, com ele em campo nota-se outro perfume, o FCP joga melhor, mas em jogos de alto risco, esconde-se. Precisa evoluir.

C.Rodriguez, o mercenário, não quis renovar com o FCP e sempre que jogou era só para ele...sem mais comentários acerca de um jogador que pensava ser de outra estirpe.

Djalma, realmente está no plantel porque? Estava o FCP a perder, sem avançado centro no banco e o treinador coloca o Defour? é porque não acredita nele...

Hulk, começou bem a época, depois teve uma quebra como toda a equipa!!! Preparação física!!!

Ainda por cima, agora está a custar a pegar de novo, com 3 jogos consecutivos onde demosntra uma má preparação. Parecendo pesado, lento... e isso em jogadores como ele e o Guarin, que têm uma grande massa muscular, nota-se muito.

Kleber, não estava preparado para este nível, até pode vir a ser um grande avançado, mas ainda não é. Falta conseguir ter uma maior dinâmica de equipa, ir buscar bolas, fazer tabelas, aparecer, desmarcar, correr com a bola ou em diagonais para receber a bola mais á frente. Tem potencial, mas falta-lhe entrosar-se na equipa.

Walter, começou mal a época, (motivos particulares), demonstrou que pode ser útil no plantel, mas não é um fora de série. Marca uns bons golos e tem algumas boas iniciativas, mas precisa melhorar.


Treinador Vitor Pereira:

Não sabe liderar. Precisa de evoluir nas opções estratégicas, precisa que os seus jogadores percebam o que ele quer da equipa, e se ele não consegue passar a mensagem, algo vai mal no grupo.

As substituições são polémicas e às vezes não se entendem. Os adeptos percebem que está receoso de tocar neste ou naquele menino. já tocou em alguns e quantos lhe responderam em campo de forma positiva nos jogos seguintes?


O facto de ser teimoso e mesmo com a equipa a não estar num bom nível, joga sempre em 4-3-3, quando o mais aconselhável seria começar alguns jogos em 4-4-2 losango. Tanto em São Petersburgo como em Nicósia podia ter feito isso. Depois, a partir do momento em que está a perder o jogo, não tem mais nenhum avançado de área para colocar. Porque não alterar o sistema???

E sinceramente, a postura paternal dele para com os jogadores, leva, quanto a mim, que os jogadores o tenham na mão e não o contrário.

Gostava de poder dizer o contrário, mas falta Alma a este FCPORTO.


FORÇA FCPORTO!!!!!